Gestão de mudanças na saúde: como trocar de sistemas?
COMPARTILHE
  • Linkedin
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus

Gestão de mudanças na saúde: como trocar de sistemas?

Por Equipe Pixeon em 28 de dezembro de 2020

Se você trabalha em uma instituição de saúde e sente que é necessário implementar novas tecnologias, provavelmente está enfrentando certo receio da equipe em trocar de sistemas. Essa resistência é perfeitamente comum, afinal mudanças geralmente vêm acompanhadas de insegurança, desconforto com a necessidade de sair da zona de conforto, entre outros desafios. E é por isso que é tão importante fazer uma gestão de mudanças.

Caso você não esteja familiarizado com esse termo, a gestão de mudanças na saúde consiste em planejar e acompanhar cada um dos passos que a sua instituição der na implementação de novos sistemas de tecnologia, em direção à saúde digital.

Você sabe quais são as etapas que são importantes para uma boa gestão de mudanças? O objetivo é conseguir contornar os desafios, enfrentando o receio de inovar, para depois usufruir dos resultados de toda essa transformação digital na saúde.

Neste artigo, trouxemos as principais etapas que devem fazer parte da gestão de mudanças da sua instituição de saúde. Você pode usá-las como um guia e adequar às suas necessidades específicas.

Por que é necessário inovar?

A inovação é o caminho pelo qual a instituição de saúde consegue efetivamente oferecer um atendimento de excelência ao paciente, cuidando de todos os detalhes que ele espera quando busca um serviço.

Não se trata apenas de fazer algo que nenhuma empresa esteja fazendo. Inovação é sobre tornar os processos mais fáceis e mais ágeis, poder monitorar a instituição de maneira ampla e garantir que nenhuma atividade está impedindo o hospital de oferecer o que há de melhor ao paciente.

E a tecnologia é fundamental para alcançar esse objetivo. Afinal, contar com soluções de TI que apoiam os processos e garantem eficiência para as tarefas do dia a dia permite que os profissionais de saúde tenham maior disponibilidade para atender os pacientes de maneira mais próxima e humana.

3 passos fundamentais para uma boa gestão de mudanças

1. Planejar o processo de mudanças

Tendo percebido a necessidade de mudança na sua instituição de saúde, é importante iniciar o planejamento de implementação de novos sistemas. Isso inclui mapear os processos atuais do hospital e entender em quais pontos pode haver melhorias.

É a partir dessa análise que a instituição tem condições de fazer uma pesquisa de mercado para identificar as soluções ideais. Não adianta saber o que o mercado oferece se não tiver sido feita uma avaliação de quais são as necessidades da empresa, além de sua cultura e seu capital humano.

Nesse momento, o hospital deve selecionar um parceiro estratégico para apoiar o planejamento do processo com segurança e a execução com agilidade. Afinal, uma instituição de saúde não pode ficar parada para migrar de sistemas. É também um parceiro especializado que vai oferecer treinamentos necessários para a instituição alcançar seus objetivos.

Outro ponto indispensável é definir metas e os indicadores que serão usados para acompanhar o desempenho que as mudanças promoveram na instituição.

2. Apresentar o planejamento e engajar os profissionais envolvidos

Envolver os colaboradores e apresentar o planejamento é fundamental para a gestão de mudanças. É normal que os profissionais demonstrem resistência no início, porque podem relacionar a chegada de sistemas de TI a uma possível demissão.

Por isso, é de muita importância apresentar quais são os objetivos da instituição com essas mudanças e afastar qualquer entendimento de que os colaboradores serão substituídos.

Os gestores precisam deixar claro que novas tecnologias vêm para apoiar os profissionais e ajudar a instituição a ter maior eficiência e produtividade.

Quando um hospital implementa o prontuário eletrônico do paciente, por exemplo, o trabalho de todos os envolvidos fica otimizado, porque evita falhas, além de deixar as tarefas mais ágeis. Outro exemplo é a Lumia, nosso sistema de inteligência artificial, que automatiza o agendamento de pacientes, deixando os colaboradores livres para fazer atividades mais estratégicas.

Então, de acordo com os sistemas que o hospital decidir implementar, é essencial que seja realizada uma ação de comunicação interna sobre por que essas mudanças serão importantes e como elas serão implementadas.

Além de serem envolvidos, os profissionais também precisam ser treinados para lidarem com as novas ferramentas. Eles devem receber formação adequada e estarem preparados para trabalharem e conhecerem os objetivos dos sistemas implementados.

3. Executar o plano, monitorar os resultados e fazer ajustes constantes

Depois que a equipe estiver envolvida e capacitada, é hora de finalmente implementar os novos sistemas e começar a observar os resultados dessa gestão de mudanças.

Conforme foi definido no planejamento, os indicadores devem ser monitorados justamente para acompanhar o desempenho das ferramentas. São esses indicadores que vão mostrar para a gestão se a eficiência esperada está sendo alcançada.

Em caso negativo, é preciso fazer ajustes. Eles também são importantes para garantir que os sistemas sempre excedam as expectativas de oferecer um atendimento cada vez melhor ao paciente.

Confira também este conteúdo, que pode ser muito útil para a gestão de mudanças da sua instituição.

Transformação digital para saúde

COMPARTILHE
  • Linkedin
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus

Comentários