Entrevista com Everton da Cunha sobre gestão de performance na saúde
COMPARTILHE
  • Linkedin
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus

[Health Talks] Entrevista com Everton da Cunha sobre gestão de performance na saúde

Por Pixeon em 28 de agosto de 2019

Os processos dentro de um hospital podem gerar muitos custos, gargalos e uma série de problemas – oportunidades de melhoria que prejudicam a qualidade dos serviços. Portanto, tornar esse ambiente mais ágil e melhorando a gestão de performance na saúde, bem como o controle de custos, vai beneficiar não só os pacientes, mas também os profissionais que atuam diariamente dentro das unidades de saúde. 

Neste segundo Health Talks, conversamos com Everton de Macedo da Cunha, Consultor Sênior de Novos Negócios, do Hospital Sírio-Libanês, e especialista na metodologia de melhoria continua, Lean Six Sigma. Everton nos contou como a metodologia pode aumentar a eficiência, eficácia e efetividade das instituições, aperfeiçoando a gestão de performance na saúde. Saiba como tornar os processos ágeis e menos custosos.

A importância da gestão de performance na saúde

1. Como é o conceito e metodologia do Lean Six Sigma?

“É uma metodologia que utiliza ferramentas qualitativas e ferramentas estatísticas para avaliar diferentes processos. Desde sua entrada até sua saída, para trabalhar e mapear onde há gargalos ou possíveis pontos de melhorias. O principal objetivo é diminuir a variância e o desperdício em todo processo, aumentando sua qualidade com valor agregado. 

Na área da saúde é algo muito novo, começou por meados do ano 2000. Há aproximadamente 15 anos, a área começou a ter um enfoque maior com investimento e interesse no desenvolvimento da metodologia. Os hospitais perceberam que poderiam trabalhar dessa forma, montando núcleos de excelência operacional. Tendo como principal objetivo diminuir a variabilidade e o desperdício dentro do ambiente hospitalar. ” 

2. Como ele é aplicado na área da saúde? Quais são os principais processos?

“A Metodologia Lean Six Sigma utiliza a ferramenta DMAIC. Sigla em inglês, para Define, Measure, Analyze, Improve e Control. Em português significa definir, medir, analisar, melhorar e controlar. Representa um método de melhoria contínua de processos, composto por um roteiro de cinco fases. Na prática, ajuda as instituições a entenderem e resolverem problemas.

A primeira fase define consiste em definir o problema que precisa ser resolvido. Bem como todos os pontos que são esperados do projeto de melhoria. Sendo a “fase que cria o contrato do projeto”, traçando um objetivo e uma meta. Depois disso, a gente faz uma measure, avaliando e medindo todo o processo, para entendimento de como ele se comporta.

Na etapa analyze, realizamos a análise dos dados para buscar a causa raiz que gera desperdício ou variabilidade do processo. Buscando entender se é realmente um risco em potencial ou não. A fase do improve é a fase de implantação das melhorias. Na implantação das melhorias é hora de buscar atingir as metas e objetivos elencados no define. Diminuindo os desperdícios e essa variação, mudando o processo ou tirando etapas que não agregam valor ao nosso cliente.

E por fim, a gente entra na fase control. A fase de controle mostra se o processo e as mudança que foram aplicadas dentro do ambiente hospitalar se mantiveram estáveis. Agregar valor em saúde com alta qualidade, pertinência, baixo custo ou custo evitado, é a base e foco para uma boa aplicação do Lean six sigma. A metodologia auxilia em todos esses eixos, melhorando a experiência do paciente com um atendimento de excelência em toda sua jornada no ambiente hospitalar.

3. Quais são os problemas mais comuns encontrados e quais são os principais impactos deles?

A parte mais difícil dentro do ambiente hospitalar é a mudança cultural. As pessoas sempre fizeram daquele jeito ou tinham a mesma rotina, quando você começa a mexer no processo. De fato, mostrar o que pode ser melhorado, gera impacto nessa rotina. Por isso, demora um certo tempo para ser aceito e apresentar resultados perceptíveis.

Mas é importante destacar que aquilo que não agrega valor ao paciente, deve ser enxugado ou reduzido: os atrasos, as filas dentro do hospital, o tempo de locomoção do profissional, procedimentos desnecessários de um processo, etc. Nada disso agrega valor ao paciente final ou profissional.

Outra dificuldade é a qualidade da informação, pois nem todos os hospitais que a gente trabalha, como hospitais públicos ou até mesmo hospitais particulares, têm algum sistema de informação. Muitas organizações ainda vivem na base da ficha e prontuário manual sem sistemas.

Quando você vai para o hospital particular, o problema não está no sistema, porque eles têm sistemas, mas a qualidade da informação não é confiável. E aí é preciso trabalhar muito para ter acesso a uma informação fidedigna e ter um processo bem mapeado. Por último, não adianta ter um bom sistema se as pessoas não são capacitadas para utilizá-lo.”

gestão de performance na saúde

4. Tem algum histórico de resultados de uma mudança drástica trabalhando com esses três pilares? 

“Sim, temos alguns resultados interessantes. Em algumas unidades de pronto-atendimento é comum que os pacientes levem mais de duas horas para serem atendidos. Após a implantação da metodologia, o atendimento pode ser reduzido para 40 a 60 minutos, conforme a instituição. 

Assim, os pacientes que ficavam dentro da unidade em torno de 7 a 8 horas, esperando o desfecho clínico, passam a sair em uma média de 2 horas, com os resultados dos exames e a avaliação médica concluída.

Outro grande benefício é a melhoria do fator de utilização de salas cirúrgicas aumentando a produtividade em 40% e otimizando o uso de recursos de forma racional.

Podemos citar, como resultado também a diminuição da superlotação de emergências pelo Brasil. Com a redução do tempo de permanência dos paciente nas unidades e melhorando a jornada do paciente no ambiente hospitalar.”

5. Como você vê o papel da tecnologia em todo esse processo?

“A todo momento os pacientes estão gerando informação. Então, se não tiver um bom sistema para gerenciar e gerar essa informação com qualidade, automaticamente, perdemos todos esses dados.

Se isso acontecer, nós não vamos ter os dados epidemiológicos do paciente ou os dados de atendimento para análise e tomada de decisões estratégicas no futuro. Assim, é essencial que as instituições de saúde percebam a tendência crescente e a importância de trabalhar com esses dados.

E como vamos trabalhar esses dados e melhorar o processo? Um dos grandes benefícios das metodologias ágeis é exatamente poder fazer a mudança de processos com o hospital em funcionamento, uma vez que ele não pode parar.

Ou seja, temos que aplicar as mudanças, sem perder a qualidade, os dados e a segurança da informação. Por isso, é essencial estar atento pois muitos sistemas não garantem essa segurança e eficiência para o ambiente hospitalar.”

Sobre da Everton de Macedo da Cunha

Everton de Macedo da Cunha é Consultor Sênior de Novos Negócios, do Hospital Sírio- Libanês, e especialista na metodologia de melhoria contínua, Lean Six Sigma. Também tem experiência anterior como Enfermeiro referência no PS do Hospital Santa Paula, Unidade de Primeiro atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein, e Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo. Além disso, já atuou como supervisor de enfermagem e professor em disciplinas da área da saúde com foco em gestão e qualidade.


Quer saber mais sobre sistemas para gestão de performance em saúde? Acesse os materiais a seguir:

Leia também o nosso primeiro Health Talks sobre logística hospitalar com Roberto Lopes.

COMPARTILHE
  • Linkedin
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus

Comentários

Veja também

Acompanhe as novidades sobre nossos produtos e novas parcerias

Acompanhe a Pixeon. Leia mais notícias