COMPARTILHE
  • Linkedin
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus

Conheça 7 características que todo sistema de gestão para radiologia precisa ter

Por Equipe Pixeon em 19 de março de 2021

Um bom sistema de gestão para radiologia precisa garantir que tarefas sejam automatizadas, fazendo com que os profissionais ganhem tempo e reduzam custos, além de aumentar a satisfação dos pacientes em relação ao atendimento.

gestao_para_radiologia

Como se trata de uma decisão importante para chefes de radiologistas é fundamental que, antes de optar por uma solução, os líderes conheçam alguns aspectos que os sistemas de gestão para radiologia devem ter.

Neste artigo, apresentamos as 7 principais características que consideramos indispensáveis em um sistema de gestão para radiologia. Explicamos cada uma dessas características que você deve avaliar antes de se decidir pela melhor solução para a sua instituição. Confira!

Sistema de gestão para radiologia: 7 pontos que não podem faltar

  1. Integração com outros sistemas

    Uma das características fundamentais de um sistema de gestão para radiologia que a clínica deve considerar é a possibilidade de integração com outros sistemas existentes da instituição, como a integração entre os sistemas PACS, RIS e até mesmo outras ferramentas complementares, como reconhecimento de voz, entre outros.

    Quando há integração, os sistemas funcionam de forma simultânea e complementar, permitindo inclusive o compartilhamento de informações.

    Isso quer dizer que, ao enviar e replicar os dados de forma automática por meio da integração dos sistemas, é possível diminuir os erros que acontecem quando é necessário digitar as informações manualmente, por exemplo.

  2. Cadastro de faturamento de convênio

    Outra característica importante a se considerar em um sistema de gestão para radiologia é o cadastro de regras de negócio acordadas com os convênios na plataforma. Essa medida agiliza o atendimento e evita erros, além de facilitar a autorização de exames.

    Por exemplo, se for negociado com algum convênio específico que não será realizado algum tipo de exame específico, quando o recepcionista tentar agendar pelo convênio, será emitido um alerta avisando que não está autorizado. Dessa forma, o sistema facilita as atividades do recepcionista, já que é comum haver regras específicas para cada convênio.
     
    O sistema avisa ainda quando falta algum documento para finalizar o atendimento, como a guia médica. Só é possível completar o cadastro depois que todos os campos estiverem preenchidos. As informações de preenchimento obrigatório são personalizadas no momento da implantação do sistema de gestão para radiologia.

    Algumas ferramentas permitem inclusive a autorização do convênio de forma automática, otimizando o tempo do recepcionista. Nesse caso, ele não precisará entrar no sistema via portal de cada convênio para pedir a solicitação, podendo ser feita de forma integrada e automática.

  3. Adaptação à legislação brasileira

    Antes de escolher um sistema de gestão para radiologia, também é importante avaliar se ele está adequado de acordo com as leis brasileiras que regulamentam o funcionamento de softwares dentro de instituições de saúde.

    É fundamental que haja a possibilidade de fazer a atualização do software para novas normas sem que seja necessário realizar a sua reinstalação ou interrompimento do uso. A maioria das empresas disponibilizam as versões atualizadas para download em sites e fornece um apoio remoto para auxiliar, caso surjam dúvidas ou problemas técnicos. 

  4. Controle de glosas


    O controle de glosas, que é quando o convênio nega à clínica o pagamento de valores referentes aos procedimentos realizados pelo paciente, também deve ser automatizado com o uso de sistemas de gestão para radiologia. Essa é uma importante característica a ser considerada para escolher a ferramenta ideal.

    Nesses casos, quando o faturista da clínica realiza a conferência dos valores para fazer o fechamento, o sistema deve verificar todos os pedidos e mostrar quais ainda não foram pagos (ou foram restituídos apenas parcialmente) e por qual motivo não foram pagos. Dessa forma, dá tempo do faturista corrigir os erros e solicitar o ressarcimento antes do fechamento.
     
    É possível fazer o controle de glosa de forma manual, mas demanda muito tempo e podem ocorrer falhas. Vale lembrar que deixar de fazer o controle efetivo da glosa pode causar prejuízos financeiros para a clínica.

  5. Controle do fluxo de caixa


    Além do controle da glosa, um bom sistema de gestão para radiologia precisa fazer o controle do fluxo de caixa, ou seja, a gestão financeira da clínica. Com os relatórios, é possível fazer a análise dos indicadores e da evolução da instituição para definir mudanças e novas estratégias.
     
    Os sistemas mais completos fazem ainda a projeção de receitas futuras a partir do que já foi lançado pelo faturista. Assim, pode-se ter a certeza de qual será o faturamento do mês e fazer novos investimentos.

    Vale lembrar que essa análise deve ser feita em cima de valores e números reais, e não com base em variáveis.

  6. Módulo de agenda

    O agendamento inteligente é outra característica fundamental para o gerenciamento de clínicas de radiologia. Essas ferramentas tornam o atendimento mais rápido e eficaz, pois o sistema busca o melhor dia e horário para agendar o procedimento a partir das opções que o paciente prefere.

    Ao inserir no sistema mais de um exame a ser realizado pelo mesmo paciente, a ferramenta propõe agendamentos com horários próximos para que o paciente realize todos os seus exames no mesmo dia, otimizando seu tempo. Isso considerando o preparo necessário e o procedimento de cada exame. Em alguns casos, como o de uso de contraste, ele deve ser feito por último para não impactar os resultados do primeiro exame.

  7. Reconhecimento de voz e modelos de laudos


    Para aumentar a produtividade dos médicos, um bom sistema de gestão para radiologia deve disponibilizar reconhecimento de voz e modelos de laudos prontos. Essas ferramentas são úteis, principalmente quando o exame do paciente está dentro da normalidade, o que acontece em 70% a 75% dos atendimentos.

    Nesse caso, o médico pode liberar o laudo de forma mais fácil, inserindo as informações por meio de comando de voz ou escolhendo o texto padrão de um modelo, sem precisar redigi-lo todas as vezes, o que faz o profissional ganhar tempo e, consequentemente, atender mais pacientes e deixá-los mais satisfeitos com a agilidade.
     
    Caso o sistema de gestão para radiologia tenha essas 7 características, pode ser uma ótima opção, oferecendo funções completas para a execução das tarefas. 

Bônus: Sistema essencial para telerradiologia

Além desses 7 pontos, listamos abaixo outro sistema essencial para prática da telerradiologia, tendência crescente na área. A tecnologia aplicada à radiologia de maneira remota contribui para processos mais eficientes e seguros, redução de custos, laudos prontos com mais agilidade, além de ampliar as possibilidades de atuação para os profissionais. Saiba mais a seguir.

Central de Laudos

A Central de Laudos permite que o profissional de radiologia acesse de qualquer lugar os exames do paciente, como análises laboratoriais e imagens radiológicas, para emitir o laudo.

O sistema, que também pode ser integrado a outras ferramentas, otimiza o trabalho ao distribuir os laudos por critério de urgência do resultado. E isso pode ser realizado mesmo que os médicos não estejam fisicamente em uma instituição, o que já contribui para reduzir custos com infraestrutura.

Quer saber mais sobre como escolher o melhor RIS para a sua instituição de saúde? Confira este checklist com tudo o que é preciso observar para tomar essa decisão.

COMPARTILHE
  • Linkedin
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus

Comentários